Wikileaks divulga o malware usado por governos um pouco por todo o mundo

Uma das últimas revelações de Julian Assange trata-se da divulgação do código de um dos malwares criados por agências que vendem o seu trabalho para vários governos um pouco por todo o mundo.

O método de infecção deste malware é diversificado. Pode vir através de e-mail, de supostos updates de software conhecido ou até com falhas de segurança.
O software é criado especificamente para evadir os scans de antivírus e consegue ficar indetectável durante meses, incluindo em dispositivos móveis.
O malware serve para espiar, entre outras pessoas, activistas políticos e jornalistas.

Países como a Etiópia e o Egipto são reconhecidos como grandes “fãs” deste malware, pois são países com mudanças políticas recentes.

A maioria dos sistemas operativos estão vulneráveis

Windows, Linux, Mac OS, Android, iOs e BlackBerry são alguns dos sistemas afectados. Do desktop ao móvel, nenhum escapa.

A Wikileaks divulgou vários ficheiros do  FinFisher Relay e do FinFisher Proxy que permitem o controlo e a obtenção de dados.

Para fazeres o download, acede ao SpyFiles 4 da Wikileaks, onde poderás analisar o código de todas as aplicações em uso neste momento.

 

r350863_5041432

 

Compra aqui a tua VPN
Partilhe no Facebook

Floating Widgets